26 fev

O código genético das cidades

Sanaa (Iêmen)
"O ambiente construído é um produto de forças sócio-econômicas, culturais e políticas. Cada sistema urbano tem seu próprio "código genético", expresso em formas arquitetônicas e espaciais, que refletem valores e identidade de uma comunidade. Cada comunidade escolhe certas características físicas, produzindo o carácter único da sua cidade. Este "olho comum" exemplifica o legado arquitetônico da cidade e dá um sentido de lugar.
Por exemplo, na antiga Sanaa, capital do Iêmen, edifícios únicos, decorados com padrões geométricos criam uma identidade visual diferenciada, exclusiva para a cidade (foto acima). Outro exemplo é a aldeia núbia do Egito (abaixo) onde os materiais e cores de construção são únicos e refletem a arquitetura vernacular da região.
No entanto, as práticas arquitetônicas atuais, em quase todas as cidades do mundo, não respeitam esse legado de identidades e tradição das nossas cidades. A maioria dos projetos tem pouca ou nenhuma relação com o contexto urbano envolvente ou com o código genético da cidade. Os arquitetos só seguem os movimentos arquitetônicos internacionais, tais como "arquitetura moderna", "pós-modernismo", "alta tecnologia", e "desconstrucionismo". O resultado é um diálogo fragmentado e descontínuo entre os edifícios, destruindo a memória comum de uma cidade".

O texto acima é uma parte do artigo "The DNA of Cities", escrito pelo professor-convidado da Universidade Americana (Washington),  Abdelbaseer A. Mohamed para o site This Big City. Desnecessário dizer que coloca questões bastante interessantes, a principall, na minha opinião, sobre a questão da identidade de uma comunidade. O resto dele pode ser lido no link a seguir: http://thisbigcity.net/the-dna-of-cities/. Boa leitura.

FRASE:

A maioria dos projetos tem pouca ou nenhuma relação com o contexto urbano envolvente ou com o código genético da cidade.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.